Profecias de  maio de 2002

Josino Moraes
Latin America Economic Researcher
www.josino.net
email: josinomoraes@hotmail.com

Meus amigos,

É bom preparar-se para o pior. Conforme previ no meu livro de 2001 – A
Indústria da Justiça do Trabalho – desta vez, vai ser difícil escapar da
turma do Lula. Seu grande cabo eleitoral chama-se Plano-Real, FHC.

Não se iludam com o discurso. Trata-se de um fenômeno denominado em
filosofia de hipóstase: mudar sempre, para sempre permanecer o mesmo.
Esses comunistas – neobolcheviques – não mudam nunca.

Eis aqui meus vaticínios – em grande parte devidos a minha experiência
chilena entre 1970-73. O Serra também viveu. Se a maioria, sobretudo o
mercado, estiver convencida de que o Lula leva, a ventania começará antes
mesmo da posse – já hoje, isso dá seus primeiros sinais. O risco-país irá
passar o do Equador e Nigeria e tomar a “honrosa” segunda posição, só
atrás da Argentina. Logo, após a posse, virá a 7ª moratória da nossa
historia. Congelamento, catalização das invasões, desrespeito aos
contratos e ao direito de propriedade, greve de caminhoneiros , câmbio
negro y otras cositas desse naipe. Hiperinflação. Aquele vetusto papinho
do overshooting do dólar.

Não creio que ele consiga governar nem dois anos. O Allende governou três
anos, porque pegou uma economia relativamente saudável. Aqui, ela já
esta doentia. Golpe parlamentar ou militar – impossível vislumbrá-lo agora.
O paradoxal é que Allende abriu o caminho para o futuro do Chile. Só
agora, através da leitura de um liberal – Sorman – soube detalhes do
milagre chileno. Pinochet deixou a economia nas mãos de uns meninos –
PHDs – treinados em Chicago e verdadeiros liberais. Elas fizeram uma
verdadeira revolução nas instituições chilenas, a começar pela reforma da
previdência. A nossa grande infelicidade é que , além do profundo
positivismo inculcado no cérebro de nossos militares não temos
economistas liberais! É, não vejo muita luz, hoje. As corporações oficiais se
apoderaram do aparelho de Estado destruindo-o parcialmente, até aqui.
Como removê-las?  

Os estertores do peronismo é bastante nítido atualmente – será um
processo longo, impossível de vislumbrar hoje seu final. Do ponto de vista
das idéias, tanto o peronismo como o varguismo são os filhos prediletos do
fascismo italiano, in pejus. Como será os estertores do varguismo, seu
irmão gêmeo? Talvez, a saída mais barata mesmo seja a proposta do Rudi:
uma intervenção internacional.

Abraços, Josino