Profecias,  julho de 2002

Josino Moraes
Latin America Economic Researcher
www.josino.net
email: josinomoraes@hotmail.com
                       
De fato, como venho vaticinando há algum tempo dificilmente escaparemos da
turma do Lula desta vez. Ainda que ela, eventualmente, mude de nome, como por
ex., a turma do Ciro.  Trata-se  apenas de  uma questão semântica. Profecias são
visões de atacado, nunca de varejo. Vislumbra-se apenas o contorno (entorno?¬)
delineado a lápis grosso, jamais os detalhes.  A neblina impede ver os detalhes,
filigranas, do futuro imediato. A medida em que o futuro imediato fica mais
próximo os detalhes começam a aparecer. Ambas turmas – a de Lula ou a de Ciro
– ,  são o que melhor expressam o neobolchevismo, essa nova forma do
comunismo local.

No meu livro: “A Indústria da Jusiça do Trtabalho” de 2001, afirmava logo na
introdução, pg 31: “Ao ver a figura de Ciro Gomes ao lado de César Maia e essa
concupiscível atriz global, Patrícia Pilar, propondo uma Frente Popular – a união
dos marxistas mais puros, os neobolcheviques – , pressagei : se a empreitada
vingar – difícil, pois o PT se sente tão forte a ponto de querer correr sozinho –, as
enormes dificuldades que nosso sistema financeiro, TV Globo e congêneres – os
Big Brothers –, monopólios, oligopólios, grupos hegemônicos e o Planalto terão
que enfrentar em 2002. “.  De fato, a Frente Popular não vingou. Eles foram
divididos para as eleições. Mesmo divididos o estrago será fantástico. O segundo
turno, a grande reta de chegada, se dará entre o Partido dos Trabalhadores e a
Frente Trabalhista! Ave Getúlio! Depois de 72 anos, tudo o que ele criou aí está,
in pejus. Ninguém trabalha mas todos levam o nome de trabalhadores. Que obra
monumental foi a de Vargas. Como a de Perón na Argentina! O consolo é que
tudo que tem um princípio deveria, por lógica, destarte esse inefável FMI,
verdadeiro anjo da guarda da procrastinação,  ter um fim, ainda que isso possa
demorar séculos. Pena para nós, que não estaremos mais aqui..

Por que esse cenário? O Plano Real, FHC, é um cabo eleitoral, à inversa,
fantástico. Subestimei sua força negativa. Desde o início das pesquisas algo me
chamava a atenção :  os neobolcheviques – Lula, Ciro e Garotinho – somavam
80% dos votos! Mas sempre achei que a “estabilidade” – a monetária é claro,
jamais a fiscal que nunca entrará em pauta –, seria capaz de colocar seu
candidato, pelo menos, na disputa do placê. Nunca vencer, é claro, mas ter a
possibilidade de disputar a primeira posição. Afinal, depois de oito anos de
“sucesso” – dentre outros: a duplicação da dívida pública, os maiores índices de
desemprego dos primeiros 500 anos do país, favelização numa progressão
geométrica, MSTs, invasões de propriedades privadas, curva exponencial de
assassinatos, etc – , e nada menos que sete honrarias de títulos de doutor
honoris causa outorgadas pelas melhores universidades do mundo – tentei o
Guiness Book of Records a propósito da questão mas eles se mostraram
desinteressados pelo assunto  -  , isso soa como uma afronta ao senhor
presidente, uma enorme ingratidão.

A ironia é que quem levará as batatas será a turma do Ciro. A turma do Lula
deverá levar uns dois ou três ministérios no negócio; afinal, trata-se de uma
disputa entre compadres.O Namorado acertou na mosca: o povão prefere a
Patrícia Polar como primeira dama. Será, sem dúvida, a primeira dama mais
cobiçada da história do país. Superará, com muitos corpos de vantagem, a Maria
Teresa do Jango. Mas, acredito que a circunstância não permitirá uma nova Evita
Peron, “protetora dos pobres”, “ a deusa dos descamisados”. A miséria é grande
demais. Além do Namorado escolher corretamente a perfeita cinderela ele foi
privilegiado com um cancer de mama, como Peron-Evita. Além disso, hoje existe a
quimioterapia para aumentar o charme que Peron não poude explorar..Vá ter sorte
assim no inferno!

A turma do Ciro terá o mesmo fim que minhas profecias de maio previam para a
turma do Lula. Não governará dois anos. O Allende governou três anos porque
pegou uma economia saúdavel. Aqui ela está completamente doentia. De partida,
o default, aqui, eufemisticamente denominado de moratória, a 7ª de nossa
história, Logo, dificuldades de rolar a dívida interna,  congelamento de preços,
caça às bruxas – os empresários serão responsabilizados pela inflação - ,
hiperinflação, câmbio negro, greve de caminhoneiros y otras cositas que eu e o
Serra, dentre tantos, vivemos no
Chile em 1973 e tivemos que sobreviver correndo para as embaixadas.

Golpe parlamentar é difícil pois o Paulinho não inspira a mesma segurança que o
topete mineiro, apesar que ambos adoram o velho fusca com motor – traseiro! –  
refrigerado a ar! E, os tão esquecidos militares, positivistas, anti-liberais,
retomarão a batuta, dando continuidade à tragédia. Ou será que eles, apesar de  
constituírem parte dessas enormes corporações oficiais que se apoderaram do
Estado destruindo-o quase totalmente até aqui, teriam a grandeza de caráter,
como a que teve Pinochet, mudariam as instituições e abririam caminho para o
futuro? O futuro do Brasil passa necessariamente pela reconstrução do Estado. .

O Rudi nos abandonou muito cedo. Pena para nós que não gozaremos mais de
sua  magnífica inteligência. De qualquer forma, nos seus estertores, deixou-nos
uma idéia brilhante: talvez a única saída para a América Latina, exceção do Chile,
seria uma intervenção internacional para a reconstrução desses estados.falidos.