A Trava, de Novo ? (1999)

Josino Moraes
Latin America Economic Researcher
www.josino.net
email: josinomoraes@hotmail.com
   
US$ 1,oo = R$ 1,70  Será esta uma relação duradoura No início do Real-95-
tinhamos uma relação de US$ 1,00 = R$1,oo  Logo após, fruto de brilhantes
vitórias tucasnas , US$ 1,oo= R$ 0,80 . O real valia mais que o dólar! O
príncipe sorria, enquanto empresas públicas e privadas eram vendidas aos
estrangeiros para financiar os enormes  déficits nas  transações correntes com
o exterior.  Que país promissor, com tão sábios governantes.Depois, piano
piano, o dólar chegou a R$ 1,20 mas ainda assim venceria  sua segunda
eleição- no primeiro turno. Logo após a vitória eleitoral o dólar disparou-janeiro
de 99-, apesar do conhecimento pelo mercado dos vultuosos emprestimos de
US$ 41,5 bilhões de parte do FMI. Chegou a R$ 2,17, apesar do  governo
insistir que seu ponto de equilibrio era de  R$ 1,70. Hoje,curiosamente, o
câmbio  é realmente  esse. O governo propala, aos quatro ventos, que o
câmbio  flutuante é  pra valer. Depois de 70 anos de monopólio cambial ou  
inúmeras regulamentações nesse aspecto atrvés  dos bancos oficiais esse
abrupto milagre fica difícil de engolir. De qualquer forma isso permitiu a   
vitória de março de 99 sobre o repique da inflação. E,  promete que terminará o
ano nesse nível de 1,70.. Prometia também, até pouco tempo ao FMI, que
terminaria o ano com US$ 11 bilhôes de superávit na balança comercial.Hoje,  
fala em US$5 a 6 bilhôes. Amanhã,  falará em US$ 2 bilhões  .Haja estômago
para tantas asneiras locais e internacionais.
       
Qual a questão central na formulação da política econômica tucana? Inflação
próxima a zero . Como consegui-la? Congelando, travando  o câmbio e
continuando o processo de destruição do setor privado e da geração de
empregos . Afinal, a estratégia venceu duas eleições , e hoje, para nossa
infelicidade tornou-se uma questão de honra para esses senhores. Larguem o
osso senhores! Não sou, obviamente, um partidário da inflaçao mas  tenho
ojeriza às farsas.Curiosamente o plano se chama Real, paradoxalmente, o
oposto a farsa. Se o objetivo é eliminar a inflação não apenas zerem o o déficit
público senão consigam um superávit fiscal depois da tantos anos de
desmandos. Do contrário, trata-se de conversa para otários. O pais é hors
concurs pois já teve até um ministro do Planejamento, João Sayad, assistente
de Funaro e um dos pais do Cruzado, que mandoiu imprimir um livreto, que nos
contribuintes pagamos,  intitulado "O Livro branco do déficit píblico" onde
sustentava a tese, e ainda hoje o faz via artigos na Folha , que o déficit fiscal
não guarda absolutamente nenhuma relação com a inflação. Pode  um indivíduo
desses chegar a ministro de Estado, apesar de seus títulos universitários? Só
mesmo no Brasil e outras partes da  América Latina ou, talvez,  na  Africa..
Será necessário estudar economia para sacar que se o Estado gasta mais do
que arrecada algo vai mal e terminará por refletir-se no sistema de preços?. É
demais.É claro que certas características da economia local confundem como já
exspuz anteriormente mas de qualquer forma..

A trava voltará a fracassar. Dou isso por líquido e certo.O drama é que
enquanto isso não acontecer continuaremos a engrossar nosso estoque de
pobres, miseráveis e assassinos.Cada dia torna-se mais difícil reverter o quadro
social. A degradação social avança a um ritmo alucinante. É incrível como os
detentores do poder, como Maria Antonieta na França, não a percebam. Aquela  
ilustre senhora quando lhe colocaram  a singela questão que o povo não tinha
pão respondeu, ipso facto:: por que não comem brioches?- forma
sofisticadíssima de pão. A corte se distancia do reles chão. Seria a baixíssima
umidade relativa do ar em Brasília um novo elemento explicativo? Infelizmente,
aqui, a tevê Globo  e congêneres impedirá uma solução à francesa  Somos o
país do futuro, da miscigenação, da  globeleza, do amor e do carnaval,   nunca
da hororrosa guilhotina.Nosso príncepe é Doutor Honoris Causa por várias
universidades do Primeiro Mundo. É por isso que o futuro é trágico.Nesses dias
o ministro do Trabalho Dornelles- sobrinho de um recente herói
nacional-Tancredo- morto num 21 de abril, data magna nacional,  disse que o
desemprego será zero no ano 2000. No ano que vem! Em determinados
momenttos, creio,  eles exageram na avaliação do nível atual da idiotia
nacional..
.
Recentemente foi criado até um Ministério do Desenvolvimento. Além do
simpático nome para um novo ministerio, o ministro é bonito e com nome
pomposo. Ah, sacrossanta sabedoria. . Sua função real foi aumentar a já
enorme carga de burocratas que nós, do setor privado,  temos que arcar.E
apesar disso,  o déficit público, na estratosfera.

Por que creio que esse novo patamar da trava fracassará? Ora, mesmo a !,70
continuamos rodando com  déficits nas transações correntes da ordem de US$
33 bilhões anuais.. Infelizmente, a imprensa não me fornece informações sobre
os serviços da dívida externa  mas a lógica me faz pensar que tudo se
resolverá quando os US$ 41,5 bilhôes do FMI  se esgotarem. Aí não vai dar
para dourar a pílula. e os atualmente gloriosos  1,70 também farão parte do
passado.assim como a estupenda e passageira paridade.